Modern Love: resumo primeira temporada

Modern Love é uma série criada e desenvolvida por Trish Hofmann, Navid McIlhargey e John Carney, e transmitida pela Amazon Video. Em formato de antologia, na qual cada um dos oito que a compõem é uma história fechada com cerca de 35 minutes de duração cada, a produção tem por gênero a comédia romântica, e é baseada na coluna semanal publicada pelo The New York Times. Voltada ao exame da sociedade moderna, a série aborda, em especial, o amor em suas mais diversas formas, seja à nível sexual, romântico, familiar, platônico e amor próprio, tendo como cenário a cidade de Nova York. É talvez uma das melhores surpresas do ano, e conta com um elenco estelar, que inclui Anne Hathaway, Tina Fey, John Slattery, Andy Garcia, entre outros.

O episódio de estreia, intitulado When the Doorman Is Your Main Man, conta com a direção e o roteiro de John Carney, e traz Cristin Milioti e Laurentiu Possa como Maggie e Guzmin. Eles são, respectivamente, a moradora e o porteiro de um edifício que se tornam grandes amigos. Sozinha e solteira numa cidade grande, Maggie desbrava Nova York através de vários encontros amorosos infrutíferos, e tem em Guzmin, sua única constante, aquele que desaprova cada um de seus pretendentes como um pai ciumento. Uma gravidez inesperada torna o elo de amizade entre os dois ainda mais forte, e com os passar dos anos, mais do que porteiro, guarda-costas e confidente, Guzmin se torna praticamente uma figura paterna para Maggie. Inspirado na história real de Julie Margaret Hogben, a qual atualmente mora com a filha de doze anos em Los Angeles, e seu ex-porteiro e amigo até os dias de hoje, Guzim, o episódio marca com louvor a estreia da série, que promete arrancar risos e lágrimas da audiência à cada segmento.

nBUbsb4VaAVD7eZIH7ARTV32wTR.jpg

No segundo episódio, When Cupid Is a Prying Journalist, escrito e dirigido por John Carney, Modern Love conta a história de Joshua (Dev Patel), o CEO de um aplicativo de encontros amorosos, e de Julie (Catherine Keener), uma jornalista que ao entrevista-lo descobre sua tragédia amorosa ao perder o grande amor de sua vida, Emma (Caitlin McGee), depois de uma briga. Após ouvir sua narrativa, Julie revela sua própria tribulação amorosa envolvendo Michael (Andy Garcia), o rapaz por quem ainda é apaixonada, e que jamais apareceu para um encontro em Paris há quinze anos. Um romântico reencontro entre Julie e Michael os faz repensar a vida que tem atualmente ao lado de seus respectivos cônjuges e filhos, mas ambos decidem não mudar as escolhas feitas. O artigo de Julie é publicado com a história de amor de Joshua, o que inspira Emma, ao que o jovem casal tem a oportunidade de não cometer o mesmo erro da jornalista. Adaptada da história do fundador do Hinge, Justin McLeod, e da jornalista Deborah Copaken, o episódio é um dos melhores.

jFx9E8JWffMzF4rlkLecGZ3wMbb.jpg

O terceiro episódio da temporada, intitulado Take Me as I Am, Whoever I Am, tem Anne Hathaway como Lexi, uma advogada de entretenimento que trabalha numa grande firma e que esconde de todos o fato de ser bipolar. Adaptado da história real de Terry Cheney, agora autora de livros, o episódio tem ares de La La Land quando Lexi está de bom humor, e qualquer filme dirigido por Sofia Coppola quando a personagem está triste. A narrativa gira principalmente em torno das adversidades amorosas entre Lexi e Jeff (Gary Carr), e retrata como tem sido toda a sua vida ao ter que lidar sozinha com a doença que a acomete até finalmente decidir se abrir com uma colega de trabalho, Sylvia (Quincy Tyler Bernstine), a qual a ajuda à lidar com sua condição amando à si mesma antes de qualquer coisa. É sem sombra de dúvidas um dos melhores episódios, e os méritos são todos de Anne Hathaway, que torna todo o drama da personagem bem menos sofrível.

18LOVE-LEARY-STILL-videoSixteenByNineJumbo1600.png

O quarto episódio, Rallying to Keep The Game Alive, escrito e dirigido por Sharon Horgan, traz Tina Fey e John Slattery como Sarah e Dennis, um casal com dois filhos adolescentes que está à beira do divórcio ao descobrir que perderam completamente a sinergia, e que busca a ajuda de uma terapeuta de casais para tentar salvar o matrimônio. Extremamente competitivos e ansiosos por resolverem o que lhes atormenta, os dois acabam descobrindo uma forma de reconectar-se através de partidas de tênis, e no esforço de juntarem os próprios cacos, não apenas com determinação, mas também paciência, os dois retomam o controle de suas vidas com o objetivo de não permitir que o jogo acabe. Assim como todos os demais segmentos, o episódio é magnifico e de uma sensibilidade impar. Os destaques, obviamente, ficam por conta dos desempenhos de Tina Fey e de John Slattery.

qpQuWRZIdb9ddUvc1y5ZBvFamwN.jpg

Escrito e dirigido por Tom Hall, o quinto episódio, intitulado At the Hospital, an Interlude of Clarity, traz a história de Rob (John Gallagher Jr.) e Yasmine (Sofia Boutella), os quais, em meio à um promissor segundo encontro são surpreendidos com o fato de terem que passar a noite no hospital depois que Rob cai sobre um copo de Martini e sofre um corte no braço. O episódio, que acaba de forma ambígua com o casal cochilando à luz da manhã no Elizabeth Street Garden, retrata a história real de Brian Gittis, cujo final não foi feliz para o casal, que até tentou novos encontros algum tempo depois, mas acabou se separando definitivamente.

ba477ce4-29ae-4f51-b734-9d657dc53c1b-modern_lede.jpg

O sexto episódio, So He Looked Like Dad. It Was Just Dinner, Right?, escrito por Audrey WellsAbby Sher e dirigido por Emmy Rossum, é talvez o mais desconfortável de se assistir. A história gira em torno de Madeline (Julia Garner), que acaba se afeiçoando à um colega de trabalho bem mais velho, Peter (Shea Whigham), projetando nele a figura paterna que perdeu em tenra idade. Ele, por seu turno, acaba tendo a impressão de que a jovem quer algo mais, acreditando que a ambígua relação dos dois é algo nada mais do que platônico. Encontros e desencontros entre os dois dentro e fora do ambiente de trabalho se tornam cada vez mais intensos até o ponto em que a confusão precisa ser esclarecida.

f5b0d701-133b-4b26-a14e-dd8f140be166-modern-love-molv_s107_1811_sach_0467rc2_rgb.jpg

O penúltimo episódio, intitulado Hers Was a World of One, é escrito e dirigido por John Carney, e inspirado na história do autor e colunista Dan Savage e seu marido, Terri Miller. A trama tem Brandon Kyle Goodman e Andrew Scott como Andy e Tobin, um casal homossexual que decide adotar uma criança, mas que ao descobrir que as chances de um processo rápido são mínimas, optam por adotar o filho de uma sem-teto, Karla (Olivia Cooke). O segmento gira quase que completamente em torno da difícil convivência de Andy e Tobin com Karla, que acaba se hospedando no apartamento dos dois até o nascimento da criança. Além de abordar a história de amor entre pais e filhos, o episódio acaba desenvolvimento uma forte conexão entre Tobin e Karla, os quais inicialmente não causam uma boa impressão um relação ao outro enquanto vivem sob o mesmo teto. É certamente outra pérola da série, e Andrew Scott e Olivia Cooke definitivamente roubam a cena.

lT5kYKJzoSzDCZXafYVchfElhYe.jpg

The Race Grows Sweeter Near Its Final Lap encerra a primeira temporada de Modern Love em grande estilo. Escrito por John Carney, e dirigido por Tom Hall, o segmento traz a história real de Eve Pell. Jane Alexander interpreta a septuagenária Margot, que acaba reencontrando o amor com o colega de corrida, Kenji (James Saito), depois de dois casamentos. De uma delicadeza inigualável ao mostrar a relação de um casal de idosos que se conhecem em seus últimos anos de vida, o segmento fecha com chave de ouro a temporada com o discurso em louvor de Margot à Kenji pouco depois de sua morte, onde ela exalta o fato de que todas as formas de amor são diferentes mas ao mesmo tempo iguais. O bônus fica por conta dos personagens dos episódios anteriores que voltam para cenas não mostradas antes, seja para completar algum trecho inexplorado da narrativa, seja para conferir desfecho à trama.

Modern Love é certamente uma das melhores séries do momento no que diz respeito à captura da realidade atual e as diferentes formas de amor. Corajosa e provocativa, a produção não deixa nada à desejar com seus episódios direcionados à um público diversificado, e que mais do que tudo espera um final feliz ou ao menos satisfatório. Excelentemente produzida, a série também se destaca pelo fato de contar com um grande elenco, e promete muito mais emoções para a segunda temporada, oficialmente confirmada dias depois de sua bem-sucedida estreia.

Modern Love se encontra disponível via Amazon Video.

Anúncios

Deixe um Comentário

Anúncios
Anúncios