Robin Williams – Come Inside My Mind: crítica de documentário

Marina Zenovich dirige o documentário produzido e transmitido pela HBO, Robin Williams: Come Inside My Mind, que traz um olhar íntimo da vida e do trabalho de uns dos maiores gênios da comédia, com imagens inéditas e entrevistas exclusivas de familiares e amigos do consagrado Robin Williams.

MV5BMzgxNDIzMTAtMTRiMS00NzViLTkwMDctZDBmMTgwYmU2OWYwXkEyXkFqcGdeQXVyNjUwNzk3NDc@._V1_

Seguindo uma vertente cronológica, o documentário faz uma paralelo entre hilaridade e melancolia ao traçar a trajetória profissional e pessoal de um dos maiores atores e comediantes de improvisação de todos os tempos. Valendo-se de depoimentos de colegas e amigos de Williams, como Billy Crystal, Steve Martin, Whoopi Goldberg, David Letterman e Eric Idle, bem como de membros de sua família, como a ex-esposa, Valerie Velardi, e o filho mais velho, Zak Williams, o documentário busca explicar como uma pessoa tão engajada em fazer os outros rirem poderia estar sofrendo de uma tristeza profunda que provavelmente o levou ao suicídio. Nesse aspecto, Zenovich não poupa detalhes da vida pessoal e profissional de Williams, e traz importantes considerações como o fato de que ele era viciado em comédia. Ou seja, além de notoriamente dependente de cocaína e de álcool, Williams vivia em função de agradar a audiência, tal como relatado no documentário pelo ex-Monty Python, Eric Idle. Billy Crystal, que revela ter sido um dos amigos mais próximos de Williams, acrescenta o fato de que para muitos comediantes, “a risada é uma droga”, reforçando sua compulsão por aceitação através de risos.

pickerImage

O documentário também traz o depoimento de Pam Dawber, com quem Williams estrelou em Mork & Mindy (1978-1982), série de televisão responsável por lançar sua carreira, bem como de Scott Marshall, filho de Garry Marshall, produtor de Happy Days (1974-1984), e revela como Star Wars (1977) influenciou a criação do alienígena Mork para uma participação especial na série em questão, o que eventualmente originou o spin-off Mork & Mindy. O documentário também dá conta de trazer à tona como Williams foi responsável por transformar o formato das sitcoms ao desafiar as regras de marcação de cenário, muitas vezes escapando do alcance dos cinegrafistas em suas improvisações durante as filmagens de Mork & Mindy, culminando na utilização de uma câmera adicional, porém manual. Em sua trajetória de sucesso com o programa Mork & Mindy, amigos e colegas apontam como a fama repentina o fez se tornar usuário de drogas. Contudo, Dawber acrescenta como a morte por overdose do ator John Belushi, astro de filmes como O Clube dos Cafajestes (1978) e Os Irmãos Cara-de-Pau (1980), e por quem Williams tinha grande admiração, fez com que ele buscasse a sobriedade.

MV5BYmE1ODM4ZGYtMmNjNS00YTE3LTgxNDMtZmVkZmM4YzVjMWFlXkEyXkFqcGdeQXVyNjUwNzk3NDc@._V1_

Robin Williams: Come Inside My Mind mostra ainda inúmeros e hilariantes momentos de Williams nos palcos como comediante stand-up, bastidores de vários de seus filmes, bem como sua transição como ator de televisão para o cinema com o infame Popeye (1980), tornando-se gradativamente astro de respeito com filmes como Bom Dia, Vietnã (1987) e Sociedade dos Poetas Mortos (1989). Além de Billy Crystal, o qual compartilha várias e divertidas mensagens de Williams deixadas em sua secretária eletrônica, o documentário também traz imagens exclusivas de Christopher Reeve, amigo pessoal e ex-colega na Juilliard, que além de apadrinhar Zak, teve ajuda financeira do comediante depois do trágico acidente que o tornou tetraplégico. Entre idas e vindas, a produção reforça “a necessidade” de Williams em fazer os outros rirem e como não ser bem sucedido nisso o deixava arrasado. Mark Romanek, que dirigiu o astro em  One Hour Photo (2002), acrescenta como era importante para Williams fazer a equipe de filmagens rir durante as gravações para poder desempenhar bem seu papel naquele que é considerado um de seus trabalhos mais sérios.

O documentário encerra com vários e emocionantes depoimentos finais, em especial de Billy Crystal, o qual revela sua última conversa com Williams, na qual o comediante desabou e revelou ter sido diagnosticado com Mal de Parkinson, o que, muito provavelmente aliado à um tipo de demência que também o submetia, segundo sua última esposa, Susan Schneider, pode ter sido elemento desencadeador de seu triste fim.

Robin Williams: Come Inside My Mind encontra-se disponível no canal à cabo HBO Brasil.

Anúncios

Deixe um Comentário

Anúncios
Anúncios