A Teoria de Tudo : Road to the Oscars 2015

MV5BMTk5MzU4NzkxNF5BMl5BanBnXkFtZTgwMTk4ODE0MzE@._V1__SX1217_SY640_

Inspirado na autobiografia Travelling to Infinity: My Life with Stephen, de Jane Hawking, James Marsh dirige o bem sucedido The Theory of Everything, filme que conta a história de Stephen Hawking e sua esposa, Jane.

Sem pormenores, o filme retrata os primeiros anos da carreira do físico e cosmologista Stephen Hawking (Eddie Redmayne). Ambientado inicialmente no começo dos anos de 1960, o longa-metragem mostra Hawking em seu primeiro ano como doutorando em Oxford. É nesse momento em que ele conhece Jane (Felicity Jones), por quem se apaixona. O romance evolui, e ele desenvolve a teoria do Big Bang, mas a doença que o condenará a passar o resto de seus dias confinado numa cadeira de rodas começa a se manifestar. Diagnosticado com distrofia neuromuscular, também conhecida como Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), Stephen entra em profunda depressão e afasta Jane, a qual, no entanto, decide ficar ao seu lado.

Em 1965, os dois se casam, e na medida em que Hawking mergulha em suas pesquisas para sua tese de doutorado e que diz respeito à teoria da criação do universo, sua doença evolui gradativamente. Jane abre mão de sua carreira para cuidar dele e dos filhos, e as coisas tomam novo rumo quando o organicista Jonathan Hellyer (Charlie Cox) entra na vida dos dois como amigo e visita frequente na dos Hawkings. Jane e Jonathan se apaixonam, mas decidem não consumir a relação para fins de manter a família unida, mas quando Stephen perde a fala e começa a trabalhar em seu livro, A Brief History of Time e precisa contar com a ajuda de uma enfermeira, Elaine (Maxine Peake), o destino de todos toma novo rumo.

O filme é muito bem produzido, mas está longe de ser uma adaptação da vida e do trabalho do aclamado teorista Stephen Hawking, uma vez que tem por foco a relação deste com Jane. Aliás, é em torno de Jane que a história gira, a despeito das sequencias em que a doença de Hawking começa a dar sinais e evolui drasticamente. Os destaques, obviamente, são para as excelentes performances de Redmayne e de Felicity Jones, não sendo de estranhar o fato dos dois concorrerem aos disputados prêmios de Melhor Ator e Melhor Atriz nos Academy Awards® de 2015. A Teoria de Tudo também concorre aos prêmios de Melhor Filme e de Melhor Roteiro Adaptado.

Anúncios

Deixe um Comentário

Anúncios
Anúncios