Review do episódio #1.08 de Gotham

MV5BMTQ4ODIxMjgzMF5BMl5BanBnXkFtZTgwMTAwOTgzMzE@._V1__SX1217_SY623_

Quando as coisas pareciam ficar mais calmas para o incorruptível detetive Jim Gordon (Ben McKenzie) após os eventos havidos em Penguim’s Umbrella, tudo na verdade fica mais complicado para seu lado no oitavo episódio de Gotham.

Se o cenário não é o crime organizado, não faltam elementos que possam preencher tal lacuna na série, e o vilão da vez é Richard Sionis (Todd Stashwick), que nada mais é do que uma versão de Jordan Belfort fascinada por máscaras de samurais e katanas, e que nas horas livres coordena um clandestino clube da luta televisionado que faria inveja a Tyler Durden. E é a partir de um assassinato ocorrido numa dessas lutas logo no teaser, que Gordon e Bullock (Donal Logue) assumem o caso.

O problema é que Gordon enfrenta hostilidades no departamento da parte de seus colegas policiais que acabam comprometendo sua investigação, principalmente quando precisa efetuar uma prisão e o criminoso tem um acordo com as autoridades. E ainda que Bullock pareça empenhado a mudar esse cenário, tudo ainda parece nebuloso para o íntegro detetive, que parece não se importar com retaliações. No final, porém, até mesmo a capitã, Sarah Essen (Zabryna Guevara), acaba se envolvendo para salvar a pele de Gordon nos instantes finais do episódio, reforçando a tese de Falcone (John Doman) de que Gotham precisa de policiais como Gordon.

No plano pessoal, as coisas não poderiam estar mais atribuladas para o detetive que um dia será o grande aliado do Homem Morcego. Após o incidente no episódio anterior, Barbara (Erin Richards) está em pânico, e inadvertidamente o deixa sem qualquer justificativa aparente, o que só faz especular a possibilidade de eventualmente aparecer como refém de algum malfeitor que não medirá esforços para ter Gordon no bolso.

Enquanto isso, no submundo, Falcone não dá as caras, mas Copplepot (Robin Lord Taylor) divide espaço com Fish Mooney (Jada Pinkett Smith) numa falsa tentativa de levantar bandeira de trégua. Claro que ela não compra a história, e o ameaça. Pinguim não deixa barato, e tortura um de seus capatazes na tentativa de descobrir seu novo plano, ao que descobre a existência de uma pessoa infiltrada e que está bastante próxima de Falcone, não faltando muito para que ele descubra que se trata de Liza (Makenzie Leigh), que dá sinais de hesitação em dar seguimento ao ardil de Mooney.

O jovem Bruce (David Mazouz), por sua vez, volta à escola, e enfrenta dificuldades em se adaptar à sua nova realidade. Ao sofrer bullying, ele não vê outra alternativa que fazer uso da violência. Transtornado, ele não esconde o ocorrido de Alfred (Sean Pertwee), que, por sua vez, encoraja-o a expressar todo seu sentimento de ódio em seu agressor de forma estratégica, e não através de força bruta, numa cena surpreendentemente extrema e que já dá a pista de que teremos a deleitável versão pós-crise do mordomo em live-action.

O episódio termina com a volta de Selina (Camren Bicondova) que, mais uma vez levada à delegacia, pede amparo de Gordon.

Outro bom momento do episódio é Edward Nygma (Cory Michael Smith) evoluindo como personagem ao passo em que vive situações que só o farão cada vez mais se aproximar de seu futuro alter ego, como quando desvenda o caso dos assassinatos no clandestino clube de luta antes dos detetives, mas é subestimado por peritos e detetives e, às vezes, até mesmo ignorado.

Anúncios

Deixe um Comentário

Anúncios
Anúncios