Review do episódio #1.05 de Gotham

MV5BMjM0MjkzNjQ3NF5BMl5BanBnXkFtZTgwNDkzNjY5MjE@._V1__SX1217_SY623_

Gotham começa a ficar ainda mais interessante em seu quinto episódio, intitulado Viper, onde, além de evoluir nas subtramas e conspirações dos episódios precedentes, mostra uma nova droga espalhada nas ruas e que causa euforia e uma morte horrível em seus usuários.

A história principal do episódio é do ex-cientista Stan Potolsky (Daniel London), que passa a distribuir uma droga experimental, a Viper, que dá origem ao título de episódio, para viciados e moradores de rua. No teaser, vemos a primeira vítima, que adquire uma força física descomunal e fica extremamente violenta, para depois fugir e, ao ser perseguida e encontrada por Jim (Ben McKenzie) e Bullock (Donal Logue), sofrer uma morte horrível.

Enquanto os dois detetives passam a investigar o caso, paralelamente, o jovem Bruce (David Mazouz), valendo-se das informações obtidas nos episódios anteriores, também começa a fuçar por sua própria conta o que pode ser uma ligação entre a morte de seus pais e algo relacionado a projetos escusos da Wayne Enterprises, exatamente num momento não muito adequado, já que Potolsky quer mesmo é se vingar da própria empresa, colocando a vida do herdeiro dos Wayne em perigo.

No submundo do crime, Copplepot (Robin Lord Taylor) segue com suas tramas para desencadear a guerra entre Falcone (John Doman) e Maroni (David Zayas), e revela a este sua verdadeira identidade, e o quão pode ser valioso para sua organização, uma vez que conhecedor de vários negócios realizados por seu rival. Claro que Maroni não compra a história de Copplepot, e praticamente sequestra Jim no intuito de que ele a confirme. Ameaçado, Jim não vê outra alternativa que colaborar, e corrobora a versão que lhe fora narrada pelo Pinguim, que ganha a almejada credibilidade de seu novo chefe e segue para a fase seguinte de seu grande e ainda não revelado plano.

De outro lado, Fish (Jada Pinkett Smith) continua a correr pelas beiradas no seu plano de derrubar Falcone, aliando-se secretamente a um dos membros da família em conluio a seu capo, e finalmente fazendo com que Liza (Makenzie Leigh) entre em cena como isca para suas pretensões nefastas, colocando-a em contato com Falcone como que por um acaso.

A despeito do suposto rompimento no episódio anterior, Barbara (Erin Richards) não dá as caras em Viper, assim como Montoya (Victoria Cartagena), que parece finalmente ter dado uma trégua a Jim com suas constantes e impertinentes abordagens. Selina (Camren Bicondova), por seu turno, faz uma breve aparição no começo do episódio, ao ser flagrada por Jim enquanto tenta roubar uma carteira, assim como Edward Nygma (Cory Michael Smith), que mostra seu fascínio pelos efeitos da droga criada por Potolsky.

Ficam agora as pistas para os sórdidos planos de Copplepot, que, decididamente, é uma das melhores coisas da série devido à complexidade do personagem, bem como de Fish. Embora tenha evoluído, e o talvez breve afastamento de Barbara e Montoya seja um alívio nesse quesito, Jim segue como o eficiente e incorruptível detetive que é, transitando perigosamente pelas redes de intrigas, de corrupção e do submundo, ao passo em que a parceria com Bullocks parece mais sólida. Mas o grande acerto do episódio é o fato do jovem Bruce finalmente sair da mansão, seguir em frente e assumir uma nova faceta, a de jovem detetive decidido a investigar a fundo o envolvimento do legado de seus pais com o crime organizado, sendo talvez uma das melhores cenas em Viper aquela em que Alfred (Sean Pertwee) se senta à sua frente, e começa a ajudá-lo.

Anúncios

Deixe um Comentário

Anúncios
Anúncios