Review do episódio #5.01 de The Walking Dead

TWD_501_GP_0508_0326

A adaptação para a TV dos quadrinhos de Robert Kirkman, The Walking Dead, retorna com uma première digna, intensa e dinâmica, que só faz o telespectador ter a certeza de que o quinto ano da série será o que de melhor já viu até então.

O episódio começa com um flashback no qual vemos Gareth (Andrew J. West) e outros sobreviventes aprisionados num container. Um deles lamenta os sinais colocados na estrada, ao que Gareth afirma que eles só estavam sendo humanos, e o mesmo lhe devolve perguntando o que eles são agora, provavelmente no que será (ou não) uma série de cenas a serem mostradas ao longo da temporada e que contará a história e a decadência dos fundadores do Santuário.

Na sequência, são mostradas cenas do tempo atual, a partir dos eventos sucedidos ao final da quarta temporada. Trancados num dos containeres do Terminal apontado como o suposto Santuário para sobreviventes ao apocalipse zumbi, Rick (Andrew Lincoln), Michonne (Danai Gurira), Daryl (Norman Reedus), Maggie (Lauren Cohan), Glenn (Steven Yeun), Sasha (Sonequa Martin-Green), Bob (Lawrence Gilliard Jr.), Tara (Alanna Masterson), Abraham (Michael Cudlitz), Rosita (Christian Serratos) e Eugene (Josh McDermitt), confeccionam armas com partes de suas próprias vestimentas e se preparam para atacar tão logo as portas se abram. Porém, a escotilha da parte superior do container é que é aberta, e uma bomba de gás é lançada para dentro, fazendo com que Abraham grite para que todos se protejam.

Rick, Daryl, Glenn, Bob e três outros cativos são arrastados para um matadouro, onde dois homens vestidos de açougueiro os colocam, amarrados e amordaçados, em frente a um tanque escorredor. Numa mesa à frente, um corpo está sendo cortado em pedaços. Rick reconhece o sobrevivente que encontrou no episódio Indifference (Robin Lord Taylor, que agora é Oswald Copplepot, em Gotham), e ele é o primeiro a ser morto com um golpe de bastão de baseball na cabeça e posterior degolação. Seu corpo é colocado sobre tanque para que seu sangue passe a escorrer.

Quando os abatedores estão prontos para acertar Glenn, Gareth aparece com um caderno de anotações e pede uma contagem nas execuções. Frio, ele age como se fosse o gerente de uma franquia do Starbucks. De repente, Bob começa a implorar por sua vida. Desamordaçado, ele explica que há no grupo deles uma pessoa que sabe o que causou a pandemia e que a situação pode ser revertida desde que eles o levam até Washington D.C., mas Gareth é indiferente, e se volta para Rick. Ele retira sua mordaça, e pergunta o que ele fez com a bolsa que ele carregava antes de entrar no Terminal, ameaçando cortar o olho de Bob. Rick explica que a bolsa contém várias armas, incluindo uma machadinha vermelha, com a qual pretende matá-lo. Gareth ri, e sinaliza para os abatedores continuarem, mas uma explosão do lado de fora mais uma vez os interrompe.

Momentos antes, Carol (Melissa McBride), Tyreese (Chad L. Coleman) e a pequena Judith seguem para o Santuário pelos trilhos de trem. Um walker se aproxima, e Carol vai abatê-lo, ao que vê uma horda emergindo da floresta. Eles decidem se esconder, mas os walkers se aproximam deles. Os dois então decidem adentrar na floresta para escapar.

Um sujeito, Martin (Chris Coy), está próximo a uma cabana e um veículo, e fala com alguém do Santuário via walkie-talkie. Ele menciona “a mulher com a espada” e “o garoto com o chapéu”, e o quanto tais pertences darão boas peças ao guarda-roupa quando os dois sangrarem. De repente, Carol aponta uma arma contra sua cabeça, e o leva para dentro da cabana. Ele tenta dizer que é inocente, mas ela não acredita, e decide investigar, deixando-o amarrado com Tyreese e Judith.

Enquanto na cabana Martin implora a Tyreese para pegar o carro e fugir com o bebê, Carol encontra os vários walkers que os seguiam. Eles escutam o barulho de tiros vindo do Terminal, e vão até lá. Ela se lambuza com o sangue de um errante e segue junto com o bando. Lá, ela vê vários walkers circundando o Terminal. No pátio, ela nota soldados arrastando Rick, Daryl e Glenn para o matadouro. Ela analisa o lugar, e dispara contra um tanque, que explode e abre a cerca para os walkers.

No matadouro, Gareth deixa os abatedores, e Rick se liberta das amarras, acertando os dois homens no pescoço com uma lasca de madeira que ele conseguiu levar escondido do container. Ele liberta Glenn e Daryl, e os três encontram a parte dos fundos do açougue, com torsos humanos pendurados em ganchos. Eles se armam com facas e machados e saem para libertar os outros em meio a vários walkers que tomam conta do Terminal.

Carol entra no Terminal junto com os walkers, e mata vários atiradores enquanto tenta encontrar seus amigos. Ao ser descoberta por alguns errantes, ela entra na sala com pertences das vítimas dos açougueiros, encontra o relógio que Rick deu a Hippy Sam em Indifference, e é confrontada por Mary (Denise Crosby), que tenta desarmá-la. As duas lutam, e quando Carol finalmente a tem em sua mira, ela explica que o lugar já foi um verdadeiro santuário, mas foi tomado por homens maus. Ela então conta que eles o tomaram de volta, e que adotaram o mantra “Você é um açougueiro ou você é parte do gado”. Mary então espera ser morta, mas Carol decide deixá-la, e abre a porta para os walkers a devorarem viva.

Enquanto isso, na cabana, Martin tenta ganhar a confiança de Tyreese temendo pela segurança dos seus no Terminal após escutarem a explosão, mas sem êxito. Quando Tyreese se distrai com os vários walkers que começam a emergir da floresta e fecha a porta, Martin já está liberto e ameaça matar Judith se ele não largar as armas e não sair para fora. Sem opção, Tyreese vai para fora da cabana, e fecha a porta. Martin tenta contatar os seus pelo walkie-talkie, mas não tem qualquer retorno. De repente, há silêncio do lado de fora, e Tyreese abre a porta e o domina.

No container, Eugene relata aos colegas de cativeiro como poderá acabar com a infestação, ao que são libertos por Rick, agora armado com uma metralhadora. O Terminal está um caos dominado por walkers, e o grupo foge para a floresta. No lugar onde enterrou as armas, Rick decide voltar para acabar com todo o resto, e Carol aparece. Todos ficam felizes ao vê-la, inclusive Rick. Ela lhe diz que eles devem acompanhá-la, e os conduz até a cabana, onde Rick e Carl se reúnem com Judith.

O grupo segue pela floresta em direção a Washington D.C., e Rick muda os letreiros que apontam para o Santuário, no sentido de que ele não existe.

O episódio termina com outro flashback no qual Mary é revelada como a mãe de Gareth. Ela é jogada pelos homens que tomaram o Terminal para dentro do container onde estão os demais cativos. Outra mulher, que está lá dentro, é arrastada para fora, aos gritos para que não o façam novamente. Gareth então diz pela primeira vez o mantra dos membros do Santuário, “Você é um açougueiro ou você é parte do gado”.

Na cena pós-créditos, um homem com máscara vê a placa modificada, e depois nota marcas deixadas nas árvores. Ele remove a máscara, e revela ser Morgan (Lennie James), o primeiro sobrevivente que Rick encontrou no episódio piloto e que, juntamente com filho, Duane (Adrian Kali Turner), ajudou-o a se recuperar até que ele pudesse seguir em frente para encontrar sua família em Atlanta.

Com uma première simplesmente arrebatadora, não restam dúvidas de que a quinta temporada será decisivamente uma das melhores, com o grupo de personagens, sob uma nova e mais revigorada liderança da parte de Rick, segue agora para Washington D.C., ao passo em que tem Morgan logo atrás, e Beth (Emily Kinney) sabe-se lá onde. Com um ano no qual os sobreviventes do apocalipse zumbi estarão on the road, fica aberta a possibilidade para novos desafios em campo aberto, e talvez um novo encontro com Gareth e seus asseclas numa provável tentativa de retaliação, assim como o cumprimento da promessa de Rick de que o matará com a machadinha vermelha.

Anúncios

Deixe um Comentário

Anúncios
Anúncios