Review do episódio #7.07 de Mad Men

MM707_JT_0214_0484-935

Waterloo é o episódio que encerra a primeira parte da sétima e última temporada de Mad Men, reforçando ainda mais a ideia de que o fim de uma era está cada vez mais próximo, e que o futuro dos personagens e da SC&P são cada vez mais nebulosos.

O episódio começa com Bert Cooper (Robert Morse) assistindo de sua casa a cobertura televisiva da decolagem da Apollo 11.

Em Los Angeles, Ted (Kevin Rahm) pilota um avião com dois representantes da Sunkist, e um deles menciona que a experiência deve ser a mesma para os astronautas, e Ted aponta que se eles não fizerem direito, todos os problemas estão acabados. Ele então desliga o motor e o avião desce.  Mais tarde, Cutler (Harry Hamlin) e Pete (Vincent Kartheiser) repreendem Ted por assustar os representantes da Sunkist, e ele lhes diz que não quer mais fazer publicidade.

Lou (Allan Havey) aparece furioso na sala de Cutler, e diz que perderam a chance de conseguir a carteira dos cigarros Commander. Cutler aponta que existem outras empresas do ramo nas quais podem se concentrar, e Lou diz que se sentiu uma piada na reunião com os representantes da Phillip Morris. Cutler o expulsa de sua sala, dizendo que a SC&P nada lhe deve, e que ele é apenas suporte.

Na casa de Henry (Christopher Stanley) e Betty (January Jones), convidados aparecem para passar alguns dias. Carolyn (Kellie Martin), uma velha amiga de Betty, chega com o marido, Richard (Barry W. Levy), e os filhos Sean (Charlie DePew) e Neil (Elijah Nelson). Sally (Kiernan Shipka) e Sean trocam olhares.

Pete, Harry (Rich Sommer), Don (Jon Hamm) e Peggy (Elisabeth Moss) praticam para a apresentação ao cliente Burger Chef. Don sugere a Harry a não negociar os termos de seu ainda pendente ingresso na sociedade.

Na casa dos Francis, perguntada por Carolyn sobre Don, Betty admite que ele é hoje para ela alguém com o qual uma jovem antropologista se casaria.

Meredith (Stephanie Drake) surpreende Don no corredor da agência e o chama para dentro de sua sala. Ele então lhe mostra uma carta do departamento jurídico no qual consta o rompimento de seu contrato com a SC&P por descumprimento de cláusula por seu envolvimento na reunião para aquisição do cliente Commander.

Furioso, Don vai até a sala de Cutler, e este o acusa de ter quebrado as regras estipuladas para seu retorno à agência. Don o acusa de conseguir a reunião com o cliente para forçá-lo a sair da agência, e que não teve outra opção. Cutler então admite que antes de ingressar na SC&P, ele especulava com Ted sobre o misterioso Don Draper, mas que agora o reconhece como um perseguidor e um bêbado.

Don vai até a sala de Roger (John Slattery), que está em reunião com Harry, e chama Joan (Christina Hendricks) e Pete para confrontá-los sobre o conteúdo da carta. Ele pede uma votação imediata para decidir sobre sua rescisão contratual. Cutler, representando Ted, e Joan, votam a favor, enquanto Don, Roger, Cooper e Pete são contra. Questionada sobre o motivo para votar contra ele, Joan explica que está cansada dele lhe custar dinheiro. Quando todos se dispersam, Joan diz a Cutler que ele não deveria ter feito aquilo.

No apartamento de Peggy, seu vizinho Julio (Jacob Guenther) informa que está se mudando para Newark. Aborrecido, ele abraça Peggy e diz que não quer ir embora. Emotiva, ela o conforta.

De casa, Don telefona para Megan (Jessica Paré) e diz que está para ser despedido. Ele propõe de se mudar para Los Angeles, mas ela não responde. Don então compreende que o casamento acabou, e diz que sempre irá cuidar dela, e que deve muito a ela. Em lágrimas, Megan aponta que ele nada lhe deve, e desliga.

Roger confronta Cooper sobre os esforços de Cutler de forçar Don a sair da agência. Cooper responde que nenhum homem jamais volta depois de uma derrota, e menciona Napoleão Bonaparte. Ele então explica que só votou a favor de Don porque um líder deve ser leal ao seu time.

A equipe para a apresentação para a Burger Chef voa para Indiana. Pete encoraja Don a se mudar para a California, pois Ted está no fundo do poço, e Don explica que não tem mais motivo para ir a Los Angeles. Ao mencionar Megan, Pete entende que os dois estão separados.

No hotel, Don, Pete, Peggy e Harry assistem a aterrissagem da Apollo 11 na lua, enquanto Roger também assiste de sua casa, juntamente com Mona (Talia Balsam), Brooks (Derek Ray) e a neta.

Don telefona para a casa dos Francis, e Sally atende a ligação. Ele lhe pergunta o que ela acha da viagem à lua, e ela repete os dizeres de Sean, no sentido de que é desperdício de dinheiro. Ele a censura por seu cinismo, questionando se ela gostaria de ouvir seus irmãos falarem assim, e Sally responde que não. Ele então pede para também falar com Bobby (Mason Vale Cotton).

Em seu apartamento, Roger recebe uma ligação, e vai até a agência, onde entra na sala de Cooper, com lágrimas nos olhos, e retira seu nome da porta. Joan aparece, também aos prantos, e os dois se abraçam. Cutler aparece e diz que Don deve partir juntamente com Bert e, furioso, Roger questiona se é isso o que vai acontecer quando ele também morrer.

Na casa dos Francis, Neil usa o telescópio de Bobby, e mostra a Sally como usá-lo. Ela o beija, e ele não sabe o que fazer até ser chamado por sua mãe para se deitar.

Roger telefona para o hotel onde Don está hospedado em Indiana, e informa que Cooper morreu. Triste, ele desabafa que agora também vai perdê-lo.

Don vai até o quarto de Peggy, e diz que ela deve fazer a apresentação da Burger Chef sozinha. Ela entra em pânico, pois não foi o combinado e não está preparada, mas ele a tranqüiliza, e informa que está para ser colocado para fora da agência, e que se ela conseguir a carteira, será algo somente dela.

Jom Hobart (H. Richard Greene), da concorrente McCann, encontra com Roger em um restaurante, e este lhe propõe comprar a SC&P como uma subsidiária independente, excluindo Jim Cutler e todas as carteiras da antiga CGC. Jim promete que vai pensar no caso, mas que não garante nada, pois também quer Ted, já que a GM pensa nele e Don como uma única pessoa.

Peggy faz a apresentação para os representantes da Burger Chef, e todos se emocionam. Don observa e sorri, satisfeito.

Roger encontra com Don e informa que a McCann ofereceu comprar 51% da Sterling Cooper. Don não aprova a ideia, pois não gostaria de trabalhar para eles, mas Roger explica que seria o presidente, e que Don voltaria para sua posição como diretor de criatividade. Don resiste à ideia, e Roger conclui que Cutler não irá descansar até que a SC&P seja apenas Harry e o computador.

No dia seguinte, Roger se reúne com os demais sócios, e anuncia a oferta da McCann, o que acarreta em mais cinco anos de contrato para cada um. Ele explica que a SC&P se tornou uma grande ameaça, e que a McCann & Erickson querer neutralizar a concorrência com muito dinheiro. Joan e Pete ficam entusiasmados com a participação que irão receber. Ted explica que está querendo deixar a publicidade, mas Don o convence do contrário, e Cutler também vota a favor.

Peggy informa Don que eles conseguiram a conta da Burger Chef, e Roger anuncia a todos os empregados a morte de Cooper. Ao descer as escadas, Don escuta Cooper chamá-lo. Ele então se vira e o vê dançar e cantar The Best Things in Life are Free. Ele então desaparece, Don sorri emocionado, e o episódio acaba.

Com apenas mais sete episódios a serem transmitidos no próximo ano, fica cada vez mais nítida a transformação dos personagens na medida em que uma década se encerra e uma nova era se aproxima. Se Don Draper estava longe de ser o exemplo como homem, marido e profissional ao longo dos primeiros anos, ele agora se mostra decididamente mais maleável, menos egoísta e muito mais centrado. Após superar os traumas de infância ao final da sexta temporada, ele passa a se concentrar naquilo que realmente quer, e que diz respeito a retornar a fazer aquilo que tanto ama. Claro, as coisas não começaram muito bem para ele no sétimo ano: vários obstáculos o impediram de seguir em frente até o vermos novamente no fundo do poço. Mas seu retorno foi quase triunfal, exceto ainda pelos percalços e humilhações constantes a que merecidamente se submeteu.

No mesmo plano, temos os personagens de Roger e Peggy, que também evoluíram consideravelmente. Após colocar sua função de lado e ter passado tanto tempo se concentrando em aventuras amorosas e experiências com drogas alucinógenas, Roger volta a se concentrar na família e no trabalho, e é dele alguns dos melhores momentos da primeira parte da última temporada quando defende com unhas e dentes a manutenção de Don na SC&P frente às perseguições de Cutler. Já Peggy, superada sua fase amorosa com Ted, retoma as rédeas de sua carreira, e faz as pazes com Don num dos melhores episódios da temporada, em The Strategy. Mas não é só isso: ela se torna emotiva quando o pequeno Julio a abraça, o que faz especular uma revisitação à sua condição de mãe.

Enquanto isso, na casa dos Francis, Betty mostra que igualmente evoluiu, e embora esteja longe de ser uma mãe ideal, ou ao menos amável, está ainda mais distante da sua versão passiva dos primeiros anos, mostrando cada vez mais ter voz e opinião própria, isso enquanto Sally começa a mostrar comportamentos cada vez mais estranhos, o que até mesmo sugere uma nova interação entre Betty e Don até a series finale.

Verdade seja dita, sobre como será o grande desfecho para cada um dos personagens de Mad Men e qual será o destino da SC&P, nada se pode especular de concreto, restando agora, lamentavelmente, apenas aguardar até o próximo ano.

Deixe um Comentário