Review do episódio #7.04 de Mad Men

MM_704_JM_1212_0445-935x658

É o primeiro dia de Don (Jon Hamm) na agência após seu afastamento pela perda da conta do cliente Hershey em razão da deliberada revelação de que passou sua infância em um bordel, e as coisas não poderiam ficar piores após os eventos havidos em Field Trip.

O episódio começa com Pete (Vincent Kartheiser) e Bonnie (Jessy Schram) jantando em um restaurante em Los Angeles. Ele reencontra George Payton (Josh McDermitt), que costumava trabalhar na Vick. Ele o informa acerca do ataque cardíaco sofrido por seu ex-sogro, e Pete fica visivelmente preocupado. Os dois trocam cartões, e Bonnie fica impressionada com sua habilidade negocial.

Don chega ao trabalho, e o lugar está vazio. Todos estão reunidos no segundo andar, onde acontece uma reunião geral na qual é noticiada a necessidade da liberação do espaço na sala de criatividade para a instalação do computador. Stan (Jay R. Ferguson), Ginsberg (Ben Feldman) e Peggy (Elisabeth Moss) ficam furiosos, e Lou (Allan Havey) lhes diz que o computador é mais importante, ao que Peggy fica preocupada com o fato de ser despedida.

Roger (John Slattery) questiona Don acerca do seu atraso, e ele explica que não recebeu nenhum memorando informando da reunião. Roger então lhe diz que a aquisição do computador é um meio de tornar Harry (Rich Sommer) importante, e o convida para uma bebida, o que Don recusa em razão das estipulações para seu retorno. Roger concorda, e combina para outra hora.

Ajudando Ginsberg com um sofá, Don vê Lou, Roger e Jim (Harry Hamlin) entrando na sala de reunião, e volta para sua sala. Lá, ele perde um cigarro embaixo da mobília, e ao tentar recuperá-lo, encontra uma bandeira dos Mets que pertencia a Lane (Jared Harris).

Em Los Angeles, Pete e Ted (Kevin Rahm) participam de uma conference call com Lou, Roger e Jim sobre a aquisição do cliente Burger Chef. Por ser uma conta nacional, Jim pede que Ted volte a NY, mas este se recusa, e indica Peggy para assumir a conta. Pete então sugere Don, com o que Roger concorda, enquanto Jim e Lou são diplomáticos sobre ambos, e a decisão não é tomada. Longe de Roger, Lou cobra de Jim um posicionamento mais firme em relação a Don, mas a resposta é no sentido de que eles ainda podem se beneficiar com Draper.

Mona (Talia Balsam) e Brooks (Derek Ray) vão à agência para falar a Roger que Margaret (Elizabeth Rice) saiu de casa para se tornar hippie numa comunidade em Kingston. Mona acha que ele deveria ir atrás dela, mas Roger aponta que Brooks deve fazê-lo. Depois, a sós, Mona o culpa pelo comportamento da filha, que se tornou perversa e egoísta por causa dele. Roger, porém, informa que tudo vai ficar bem.

MM_704_JM_1213_0227Por conta do ruído da construção na sala de criatividade, Don sai para fumar, e Harry o apresenta a Lloyd Hawley (Robert Baker), gerente da LeaseTech, companhia responsável por instalar o computador da IBM na SC&P. Don aponta ser estranho ele instalar um produto da IBM e mesmo assim ser seu concorrente na instalação, e os dois discutem sobre substituição de pessoas por máquinas. Lloyd aponta que as pessoas tem medo de máquinas, pois temem a própria mortalidade, mas que a humanidade deve aceitá-las justamente por ser uma criação do homem e uma forma de torná-lo infinito.

Peggy evita cruzar com Don, e vai até a sala de Lou. Preocupada, ela puxa conversa, e ele anuncia um aumento de $100,00 semanais. Na sequência, ele lhe diz que a está colocando como responsável pela conta do cliente Burger Chef, e que ela deverá trabalhar com John Mathis (Trevor Einhorn) e Don. Surpresa, ela lhe pergunta se ele já avisou Don, e Lou informa que ela está no comando.

MM_704_JM_1213_0688No caminho até sua sala, Peggy hesita em entrar diretamente na sala de Don, e pede à sua secretária para chamá-lo e a John Mathis para uma reunião. Don entra em sua sala, logo seguido de John, e Peggy anuncia que assumiu a conta da Burger Chef, e pede a eles 25 palavras para uma campanha a ser apresentada na segunda-feira. John fica entusiasmado, e Don visivelmente transtornado. De volta à sua sala, ele atira a máquina de escrever contra a parede, e vai embora.

Na segunda-feira, Don vai para a agência, e Roger recebe um recado de Mona informando-o de que Brooks foi preso em Kingston tentando trazer Margaret de volta.

Em sua sala, Peggy aguarda Don, e John se oferece para chamá-lo. Don está jogando cartas sozinho em sua sala, e informa John que não poderá ir na reunião. Frustrada, Peggy remarca a reunião para o final da tarde, e lhe pede mais 25 palavras.

A caminho de Kingston, Mona e Roger discutem um plano para trazer Margaret de volta e pagar a fiança de Brooks. Ela culpa a si mesma por ter estragado a filha, e os dois concluem que talvez Brooks não tenha sido um bom marido. Ao final, Mona acha que a filha possa estar envolvida com drogas, e Roger informa não saber de nada na medida em que a última vez que a viu ela estava cruel e serena. Mona concorda que ela andava filosófica ultimamente.

Don está lendo Portnoy’s Complaint em sua sala, quando Lloyd o interrompe para pedir fogo para acender seu cigarro. Ele então lhe pergunta sobre publicidade, e como funciona. Entusiasmado, Don explica que publicidade ajuda a ter um bom produto. Os dois falam de negócios, e Lloyd explica que há concorrentes no mercado que só querem ganhar dinheiro, enquanto ele acha que os computadores duram mais do que é informado, e que as pessoas poderiam se poupar de gastos. Don diz que ele pode lidar com os concorrentes, pois eles não o tem e nem fazem publicidade, o que deixa Lloyd entusiasmado. Harry então os interrompe e chama Lloyd para almoçarem.

Don procura por Roger, mas é informado que ele ficará fora o dia inteiro. Depois, ele vai até a sala de Bert (Robert Morse) e sugere euforicamente proporem negócio para a empresa LeaseTech, a qual está em crescimento exponencial. Bert se enfurece pelo fato dele estar tentando conseguir novos clientes, e o relembra das estipulações impostas. Ao final, ele informa que a agência está indo bem sem ele. Furioso, Don pergunta o motivo para o terem trazido ele de volta, e vai até a sala de Roger, de onde ele pega escondido uma garrafa de vodka.

MM_704_MY_1216_0274Roger e Mona chegam a uma comunidade hippie em Kingston e encontram Margaret, que agora atende pelo nome de Marigold. Ela os convida para conhecer o lugar, e Mona a quer levar embora dali o quanto antes. Margaret se recusa, e Mona aponta que as pessoas da comunidade são perdidas e drogadas. Margaret lhe diz que não quer mais se submeter às regras impostas pela sociedade, e acusa Mona de ser uma mãe ruim que se trancava no banheiro com uma garrafa de gim. Furiosa, Mona quer ir embora, e Roger lhe dá as chaves do carro, informando que pretende ficar e tentar convencer a filha nos seus termos.

Don está embriagado em seu escritório, e faz um telefonema convidando alguém para ir com ele ao jogo dos Mets.

Roger descasca batatas com Margaret e dois outros hippies. Eles falam sobre as virtudes de sua democrática sociedade, bem como das vantagens de se viver numa comunidade como aquela.

Freddie (Joel Murray) chega ao escritório de Don, e o encontra estirado no sofá. Desapontado, ele o leva embora, não sem antes ser notado por Peggy, que fica frustrada com o fato de não conseguir controlar Don.

Joan passa pela porta de Peggy e a parabeniza pelo aumento. Peggy reclama do dia, e Joan entra e fecha a porta. Ela explica que sabe sobre a Burger Chef, e que os sócios queriam dar a conta a Don. As duas apontam a mudança de planos como covardice, e Peggy reclama que Don não é nada cooperativo. Joan pergunta se Lou sabe o que está acontecendo, e fala que há regras para Don. Peggy especula se eles empurraram Don para trabalhar com ela na esperança de que um dos dois falhe, e Joan aponta que eles talvez não tenham pensado bem antes de fazê-lo.

À noite, Roger e Margaret se deitam no celeiro, e ela lembra de como sempre desejou viajar à lua, e de quanto ele lhe contou uma história de Jules Verne. Roger diz que foi provavelmente Mona que leu tal história, e os dois sorriem e contemplam as estrelas antes de dormir. Mais tarde, no meio da noite, alguém leva Margaret para baixo para fazerem amor.

Freddie leva Don até sua casa, e este desmaia no sofá. Na manhã seguinte, Freddie lhe serve café e o acusa de não aproveitar a chance que lhe foi dada de retornar à SC&P. Don explica o quão humilhante é voltar nas condições que lhe foram estabelecidas, mas principalmente por ter que trabalhar para Peggy. Freddie pergunta se Don preferiria pular de um lugar para outro, e ele diz que só quer seu trabalho de volta. Freddie diz que ele nada irá conseguir no fundo de uma garrafa, e que ele precisa fazer o trabalho que lhe foi pedido e se recompor.

Na manhã seguinte, Roger espera por Margaret na varanda da fazenda, e quando a filha aparece, ele a arrasta para ir embora com ele. Furiosa, ela tenta lutar, e os dois caem na lama. Ele lhe diz que ela não está em condições de se rebelar como uma adolescente, uma vez que é casada e tem um filho pequeno, e ela o acusa de tê-la abandonado para suas viagens de trabalho, e que assim como ela seu filho irá sobreviver. Frustrado, Roger vai embora.

Na SC&P, Don chega cedo e começa a trabalhar. Peggy passa pela porta de sua sala, e ele lhe diz que entregará seu projeto até a hora do almoço, e o episódio acaba.

Após ser abandonado por Megan (Jessica Paré) e ter aceitado as imposições de Bert, Cutler, Roger e Joan para seu retorno à SC&P, Don precisa agora lidar com o fato de que trabalha para Peggy numa estratégia obscura de Lou, em parceria com Cutler. Logicamente que sua primeira reação é a de total desconforto, mas, sobretudo, de renegação. Ele então simplesmente não cumpre a tarefa que lhe foi pedida, procura reconquistar terreno ao vislumbrar novas oportunidades de negócio, e se afunda novamente na bebida quando seu magnetismo pessoal não surte mais efeito.

Apesar de tudo, há pessoas que ainda estão do seu lado, e embora Roger tenha seus próprios problemas pessoais enquanto enfrenta seu carma, e não esteja lá para ajudar, o mesmo faz questão de se certificar de que o amigo ainda não desistiu quando pergunta à sua secretária se Don ainda está ali. E Freddie, por tanto tempo menosprezado, acaba sendo o bom amigo que o acusa de não saber aproveitar uma boa oportunidade para se reerguer, o que acaba causando um grande efeito em Don.

Obviamente que Joan e Peggy, como mulheres, tem muito a perder, motivo pelo qual provavelmente não se levantaram ainda em favor de Don depois de tudo o que ele fez por elas ao longo de todas as temporadas anteriores, mas talvez o diálogo entre as duas seja o significado de uma boa aliança para uma reviravolta em favor da atual minoria na SC&P.

Claro, nada é inteiramente lógico no universo de Mad Men, e se a vida de Draper é uma montanha russa, podemos ter a certeza de que há muito ainda pela frente até ele enfrentar o que provavelmente será ainda seu grande desafio até o final dessa primeira metade da última temporada.

Anúncios

Deixe um Comentário

Anúncios
Anúncios