A Trapaça : Road to the Oscars

americanhustle

A Trapaça (2013)*****

Com roteiro de Eric Singer e direção de David O. Russell, American Hustle é uma das melhores surpresas do ano de 2013, e forte candidato ao prêmio de melhor filme pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

A trama, que se passa em meados do ano de 1978 e, diz-se, parcialmente inspirada numa história real, gira em torno do golpista Irving Rosenfeld (Christian Bale), que desde pequeno ajudava o pai a ampliar os negócios com sua vidraçaria quebrando as janelas do bairro. Décadas mais tarde, ele é dono de uma lavanderia e continua a aplicar pequenos golpes, quando então conhece Sydney Prosser (Amy Adams), a qual se torna sua amante e associada numa sucessão de armações até que os dois são presos pelo inconstante agente do FBI, Richie DiMaso (Bradley Cooper).

Forçados a colaborar com o governo, eles se envolvem num grande golpe orquestrado por DiMaso para capturar o Prefeito de New Jersey, Carmine Polito (Jeremy Renner), e suas conexões com o crime organizado no universo dos cassinos. Mas as coisas ficam complicadas quando a instável e manipuladora esposa de Irving, Rosalyn (Jennifer Lawrence), pode colocar tudo a perder, e quando o chefe da Máfia, Victor Tellegio (Robert De Niro), faz com que a dupla de golpistas tenha agora a certeza de que estão em terreno perigoso, enquanto DiMaso fica extasiado com o reconhecimento que poderá ser alcançado com o sucesso da operação.

Inteligente, ousado e com excelentes performances, A Trapaça conquista igualmente pelo figurino e adaptação de época impecáveis. Como se não bastasse, a transformação física de Christian Bale, que mais uma vez repete sua versatilidade como ator e capacidade de se metamorfosear, é inebriante. E se de um lado o personagem é grotesco com seu abdome saliente e calvície pavorosamente disfarçada, de outro ele é de uma personalidade ímpar, o que conquista instantaneamente a empatia do público.

Bradley Cooper não fica atrás como o entusiasmado e, por vezes, desvairado agente DiMaso. Sua dinâmica com Bale é uma das melhores coisas do longa-metragem, mas nada é mais intoxicante do que Amy Adams fazendo dobradinha amorosa com ambos. A ambiguidade da personagem é arrebatadora.

Contrariamente à opinião de muitos, no entanto, Jennifer Lawrence aqui parece nada acrescentar, enquanto apenas repete o papel da tresloucada Tiffany de Silver Linings Playbook com leves nuances da personagem Ginger McKenna de Sharon Stone no aclamado Cassino, enquanto Jeremy Renner é a grande surpresa, só não maior do que a participação não creditada de Robert De Niro como o temível mafioso.

Se o filme merece os prêmios a que foi indicado pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas? Decididamente A Trapaça é uma produção de respeito. Direção e elenco se esforçam e conseguem contar uma boa história. Bale e Adams são os grandes destaques, e certamente os mais fortes aqui para a disputa dos prêmios de melhor ator e atriz, o que não significa que Bradley Cooper não tenha também deixado sua marca registrada como o controvertido agente do FBI que interpreta.

A Trapaça é sem sombra de dúvidas um dos melhores filmes do ano passado e que, com algumas exceções – especificamente no que diz respeito à categoria de melhor atriz coadjuvante – merece todos os louros e nomeações recebidas para o Oscar 2014. Recomendo!

 

Deixe um Comentário