The Walking Dead : estreia quarta temporada

4167957278

A partir de domingo (13/10), a AMC passa a transmitir a quarta temporada de The Walking Dead, produção inspirada na série em quadrinhos homônima criada por Robert KirkmanTony MooreCharlie Adlard, e adaptada para a televisão por Frank Darabont.

833434373Publicada originalmente em 2003 pela Image Comics, The Walking Dead conta a história de um grupo de sobreviventes de um apocalipse zumbi liderados pelo personagem Rick Grimes. Vencedora do prêmio Eisner Award em 2010, por melhor trabalho continuado na San Diego Comic-Con International, a série em quadrinhos ganhou sua adaptação televisiva no mesmo ano, com estreia pelo canal à cabo exatamente no dia do Halloween americano com a première Days Gone Bye. Um mês depois, devido ao sucesso da première no canal pago, a série também passou a ser transmitida pela Fox International Channels.

Com receptividade impressionante no que se refere aos seis únicos episódios da primeira temporada, The Walking Dead acabou sendo renovada para um segundo ano, desta vez, com treze episódios, e eventualmente um terceiro ano, com dezesseis episódios. A partir do próximo domingo, a quarta temporada marca sua estreia, igualmente com dezesseis episódios.

Ganhadora de vários prêmios, dentre os quais, o Writers Guild of America Award e o Golden Globe Award como melhor série de drama, o último episódio da terceira temporada é considerado uma das maiores audiências da rede de televisão à cabo, com 12.4 milhões de telespectadores.

Mas o que faz The Walking Dead um sucesso absoluto? Não são os zumbis, certamente. Para convencer Kirkman a transpor seu sucesso nos quadrinhos para a televisão, Darabont foi enfático ao dizer que faria dos mortos-vivos «a cereja do bolo», enquanto o prato principal seriam «os personagens». É o que o próprio Kirkman defende quando fala do seu trabalho. Ainda que fã de Night of the Living Dead de George A. Romero, o quadrinista não mede palavras quando afirma que «The Walking Dead não é uma simples história de zumbis com ação, sangue e personagens pálidos como papel. É uma narrativa sobre a sobrevivência (…). Regularmente, quando a história toma um rumo, eu lanço um pequeno ataque de zumbis. Eles são o pano de fundo e servem apenas para apimentar as histórias».

E é basicamente isso que The Walking Dead, a série de televisão representa. Tanto nos quadrinhos como na produção televisiva, somos apresentados à ideia de sobrevivência em meio ao caos, assim como a restauração de uma organização. E Kirkman não hesita apontar, tal como mencionado por um dos personagens na edição n° 24 dos quadrinhos, que «os mortos-vivos são os próprios vivos». Ou seja, «o objetivo principal é ver como se comportam as pessoas frente ao perigo ou diante de situações de vida ou morte, e não somente como eles lidam com o problema dos zumbis», explica o co-produtor executivo, David Alpert, diferentemente de outras produções, como American Horror Story, Dead Set e The River, em que os personagens enfrentam problemas extremos de frente.

A premissa de The Walking Dead é contar a história de um pequeno grupo de pessoas da proximidade de Atlanta após a dizimação de parte da população por conta de um apocalipse zumbi. Sem pistas de como teve início da pandemia, esse grupo, eventualmente liderado por Rick Grimes (Andrew Lincoln), acaba descobrindo formas de sobreviver em meio ao caos, e na tentativa de manter o foco nos pilares de uma sociedade em ruínas, precisam lidar com situações em que nem sempre os mortos-vivos representam o grande perigo em seu caminho em busca de um lugar para recomeçar.

WalkingDead1

Primeira temporada

A série tem início com um pequeno confronto policial. Rick Grimes (Andrew Lincoln) é o xerife local, e no meio do tiroteio acaba sendo atingido. Semanas depois, ele acorda de um coma profundo no hospital, e descobre um mundo pós-apocalíptico dominado por zumbis.

Os minutos iniciais do episódio piloto são os mais tensos da temporada, quando mostram Rick perambulando perdido e sem forças pelos corredores do hospital, para então descobrir uma ala trancada e repleta de mortos-vivos. Após descobrir que sua família está desaparecida, e que a cidade está deserta, ele encontra dois sobreviventes: Morgan Jones (Lennie James) e seu filho Duane (Adrian Kali Turner). Rick então descobre o que aconteceu, e segue sozinho caminho para Atlanta, Georgia, onde aparentemente existe um centro de controle de doenças de segurança máxima. Mas ao chegar a Atlanta, ele descobre que a cidade foi igualmente tomada, e cercado por uma horda de errantes, ele é salvo por Glenn (Steven Yeun).

Levado ao grupo de sobreviventes do qual Glenn faz parte, Rick reencontra a mulher Lori (Sarah Wayne Callies) e o filho Carl (Chandler Riggs). Também fazem parte do grupo seu ex-parceiro, Shane (Jon Bernthal), que acaba se apaixonando por Lori, bem como Dale Horvath (Jeffrey DeMunn), Carol Peletier (Melissa McBride), seu marido Ed (Adam Minarovich) e sua filha Sophia (Madison Lintz), as irmãs Andrea (Laurie Holden) e Amy (Emma Bell), or irmãos Daryl (Norman Reedus) e Merle Dixon (Michael Rooker), T-Dog (IronE Singleton) entre outros.

Rick então convence o grupo a ir até o centro de controle de doenças para fins de buscar proteção, mas ao chegar lá, eles encontram apenas o cientista Edwin Jenner (Noah Emmerich), que explica inexistir uma cura para a contaminação, e que há muito tempo não tem contato com o exterior ou quem quer que seja que tenha sobrevivido à pandemia, e a temporada termina com a destruição do centro por conta de uma explosão programada, e a fuga do que restou do grupo para longe de Atlanta.

WalkingDead1

Segunda temporada

A temporada começa após a fuga do centro de controle de doenças em Atlanta. O grupo de Rick decide então ir para Fort Benning, mas são surpreendidos por um longo engarrafamento de veículos abandonados na interestadual 85, que os força se esconder enquanto uma mutidão de errantes se aproxima. No meio da confusão, Sophia desaparece na floresta após ser perseguida por um morto-vivo, e o grupo decide se separar a fim de localizar a menina. É nesse momento em que Carl acaba sendo atingido pelo disparo de uma arma de fogo. Otis (Pruitt Taylor Vince), autor do disparo, pretendia acertar um cervo, e o leva juntamente com alguns membros do grupo de Rick para a fazenda onde está instalado, de propriedade do médico Hershel Greene (Scott Wilson).

Na fazenda, eles descobrem outros sobreviventes, dentre os quais, as filhas de Hershel, Maggie (Lauren Cohan), com quem Glenn acaba eventualmente se envolvendo amorosamente, e Beth (Emily Kinney), entre outros. Embora bem recebidos por Hershel, ele concorda mantê-los em suas propriedades somente até a recuperação de Carl, e enquanto o grupo de Rick se reúne completamente e acredita que poderá ficar definitivamente no lugar, um segredo que diz respeito ao celeiro acaba causando um impasse nos dois grupos, o que resulta numa das cenas mais emocionantes da temporada quando Sophia finalmente aparece.

Não bastassem os problemas com Hershel, Lori descobre estar grávida, e tem suas dúvidas quanto à paternidade, e quando uma horda de mortos-vivos invade a fazenda após a dramática morte de Dale e o confronto final entre Rick e Shane, entre mortos e feridos o grupo consegue escapar, e Andrea se perde de todos e parte rumo à floresta, onde é atacada por vários errantes, mas acaba sendo salva por uma misteriosa mulher encapuzada acompanhada de dois mortos-vivos acorrentados e sem braços.

O final da temporada é marcado pela total transformação de Rick. Líder absoluto do grupo com a morte de Shane, ele toma as rédeas para as futuras decisões com fins unicamente em manter todos unidos e vivos após o fatídico destino de Sophia, e revela o que Jenner lhe revelou nos instantes finais da temporada anterior, no sentido de que todos estão contaminados com o vírus que dizimou grande parte da humanidade.

WalkingDead1

Terceira temporada

Talvez a mais esperada por todos, a temporada começa com o grupo descobrindo um presídio que pode ser a chance de um novo lar longe dos mortos-vivos. Enquanto tentam eliminar os errantes que se encontram nas instalações do presídio, ao mesmo tempo em que buscam suprimentos, Hershel é mordido na perna, o que faz Rick tomar uma atitude inesperada, e dois ex-detentos, Axel (Lew Temple) e Oscar (Vincent M. Ward) passam a integrar o grupo.

Num momento dramático da temporada, quando atacados dentro do presídio por vários zumbis, Lori acaba morrendo durante o parto, e Carl precisa tomar uma difícil decisão. Com a morte de Lori, Rick se perde. Desolado e desorientado, ele não consegue liderar o grupo, mas quando Glenn e Maggie desaparecem após sair em busca de suprimentos para o recém-nascido, ele consegue se restabelecer.

Enquanto isso, vemos que ao longo dos últimos meses Andrea sobreviveu ao lado de Michonne (Danai Gurira), uma misteriosa mulher que carrega consigo uma espada de samurai e leva sempre dois errantes com braços decepados e acorrentados como forma de despistar os demais. As duas encontram a pequena cidade de Woodbury, um refúgio contra os mortos-vivos, liderada por Phillip Blake, mais conhecido como Governador (David Morrissey). Lá, Andrea reencontra Merle, o qual julgava morto após ter decepado sua própria mão no alto de um edifício em Atlanta. A despeito das desconfianças de Michonne quanto às intenções do Governador após o início do que será uma sucessão de confrontos entres os dois, Andrea decide ficar, enquanto sua ex-companheira vai embora. O Governador, no entanto, envia Merle ao encalço de Michonne, com a missão de matá-la.

As coisas ficam verdadeiramente complicadas quando Merle sequestra Glenn e Maggie, e Michonne se une ao grupo de Rick para ajudá-los a resgatar o casal. Um confronto entre o grupo de Rick e Woodbury marca a tensão dos últimos episódios da temporada, assim como a dificuldade de Andrea em escolher um lado, ao passo em que Daryl só quer o irmão de volta. A chegada dos personagens Tyreese (Chad L. Coleman) e sua irmã Sasha (Sonequa Martin-Green) também é decisiva, e o final da temporada é marcado por vários acontecimentos trágicos.

WalkingDead1

Quarta temporada

Com a tagline de que «tudo vai mudar», a sétima temporada de The Walking Dead estreia no próximo domingo, dia 13/10, e fica a dúvida sobre o futuro reservado para a série de televisão, bem como o que realmente vai mudar, tal como sugerem os produtores, lembrando que o destino dos personagens, e até mesmo a criação de novos, tal como Daryl Dixon, um dos acréscimos mais bem recebidos pelo público, não são exatamente os mesmos dos quadrinhos, que estão atualmente na sua 115ª edição.

Do mesmo modo como vimos personagens fortes saírem de cena no final do ano anterior, teremos agora novos rostos, portanto, dinâmicas diferentes. Mas como Rick manterá o grupo, agora muito maior com os novos integrantes, todos sobreviventes do massacre de Woodbury, será provavelmente o grande desafio da temporada, enquanto o Governador, ao lado dos mortos-vivos, representará o grande perigo.

Anúncios

Deixe um Comentário

Anúncios
Anúncios