Review do episódio #8.02 de Dexter

dexter-season-8-episode-2-every-silver-lining

O segundo episódio da oitava temporada de «Dexter», intitulado «Every Silver Lining», foi ao ar ontem pelo canal Showtime, e inaugura o início da relação entre Dexter (Michael C. Hall) e a Dra Evelyn Vogel (Charlotte Rampling), de uma forma totalmente inesperada.

Como visto no episódio precedente, «A Beautiful Day», recém-chegada ao Miami Metro para colaborar no caso que envolve um novo serial killer, a neuropsicóloga Dra Vogel demonstra logo de início um interesse deveras incomum por Dexter e, nos instantes finais da première, revela que conhece seu passado, bem como o código de conduta moral com o qual foi educado por Harry (James Remar).

Agora, em «Every Silver Lining», de forma surpreendente, somos introduzidos a uma nova realidade do universo do personagem, que pode não agradar a muitos dos fãs.

A especialista simplesmente mostra a Dexter gravações de consultas com Harry, e nas quais ele «pede sua ajuda». De forma desconcertante, vemos então um Harry Morgan bastante diferente da figura inabalável e determinada com a qual estávamos acostumados nas temporadas anteriores. Tomado por um desespero, provavelmente decorrente do momento de perplexidade com a descoberta de que o filho de 10 anos é um psicopata, Harry revela detalhes que Dexter jamais imaginou que alguém mais poderia saber.

Surpreendido com a grande revelação, Dexter ainda descobre que o código de conduta moral que lhe foi transmitido por Harry foi uma decisão em conjunto tomada entre Vogel e seu pai adotivo. A neuropsicóloga acrescenta, ainda, que guiou Harry para a elaboração das normas que regram a conduta de Dexter e, ao final, completa no sentido de que se considera sua «mãe espiritual».

Embora tenha surgido num momento decisivo para acalentar o ego ferido de Dexter e mostrar o seu «lado bom» que dá título ao episódio, a personagem não dá muitas explicações acerca do tempo em que esteve distante, e os motivos pelos quais jamais o contatou após a morte de Harry. Ao contrário. Vogel simplesmente aparece num momento decisivo na vida de Dexter, descobre os problemas que enfrenta com Debra (Jennifer Carpenter) após a morte de LaGuerta (Laura Vélez), e sorrateiramente ganha sua confiança dizendo que ele é «perfeito», e que veio para ajudar e tomar conta dele.

Convenhamos, ela é muito convincente, e a julgar pelo fato de que sabe a verdade sobre Dexter e jamais revelou quem ele realmente é faz com que a personagem ganhe alguns pontos com ele.

Nesse meio tempo, ainda, somos introduzidos a um novo serial killer que tão logo descoberto por Dexter, é assassinado. Contrariamente ao que ele acreditava, mas não à advertência de Vogel, o novo assassino em série parece ter um cúmplice, mas somos então introduzidos à uma inusitada revelação, de que ele foi obrigado a matar por uma terceira pessoa, provavelmente o ex-paciente de Vogel, e que quer matá-la. E fica ai o elo de uma suposta dependência entre Dexter e Vogel até finalmente descobrirmos os reais motivos para a vinda da personagem ao encontro do filho de Harry.

Como se ainda não bastasse, temos ainda Deb, que continua completamente fora dos trilhos. Após os eventos do episódio anterior, ela investiga juntamente com Elway (Sean Patrick Flanery), o destino das joias que estavam com Briggs. Ao encontrar as chaves de um galpão, ela vai sozinha, e ao encontrar as joias, é surpreendida pelo assassino profissional enviado para matar Briggs. Eles lutam, e no dia seguinte ele é encontrado morto à queima-roupa no carro, ao que Dexter descobre que Deb é a autora dos disparos.

Descobrindo através de Dexter, que existem pistas de que ela assassinou o matador contratado, e considerando sua angústia quando de seu encontro com Quinn (Desmond Harrington), fica agora a dúvida se Deb vai acabar se entregando. Mas tão importante quanto o destino de Deb, é agora saber como será a influência de Vogel sobre Dexter, e se ela esconde alguma coisa dele que será decisiva para o final da série.

Anúncios

Deixe um Comentário

Anúncios
Anúncios